Artigos para Autorreciclagem

6 Mitos Populares que Condicionam de forma Negativa

O indivíduo que caminha no escuro sem tatear, acaba caindo no buraco sem esperar...
"O educador que não duvida de nada é um multiplicador de alunos que acreditam em tudo..."
6 Mitos Populares que Condicionam de forma Negativa

Acreditar que uma tradição ou mito popular é o meio mais eficaz para o florescimento do bom senso, equivale a crer que a lua é feita de queijo suiço...

Examinando a Questão...

Na maioria das vezes, disfarçados de comportamentos, os mitos e as superstições populares, em seu formato tradicional, tendem a circular de forma invisível dentro de cada bioma humano. E sendo incontáveis suas variações e efeitos, como parte integrante das tradições coloquiais de cada povo, de forma silenciosa atuam modelando ou realçando traços de nossa personalidade, o que acaba por interferir de maneira dramática na natureza e qualidade dos nossos atos.

Nesse universo patológico onde as bobagens ganham status de coisa séria, o fato é que nosso comportamento, sem que percebamos, há muito tempo está sob o domínio de um considerável e consistente repertório de mitos, superstições e crendices comuns a cada tradição. Compreender esse processo pode nos ajudar a erradicar antigas deformações sociais que se escondem por trás de condutas, que de modo equivocado, alguns até consideram como deixas ou inspirações divinas de homens santos ou sábios do passado.

Eis, portanto, uma breve lista com alguns destes comportamentos negativos, tradições ou mitos, que merecem com urgência uma reflexão mais aguda...

É dando que se Recebe...

Essa máxima está tão encarcerada em nosso inconsciente que é praticamente impossível realizarmos alguma ação em benefício de terceiros sem aquele sentimento de expectativa em relação a uma compensação futura, seja ela de ordem material, ou espiritual. Aliás, essa expressão tem uma variante que explica tudo: “Quem dá aos pobres empresta a deus...”

A verdade é que o hábito do “dar para receber” faz parte de quase todas as tradições, e já se tornou um ativo dos mais valorizados, e um processo tão natural que nem mais parece uma psicopatologia das mais sérias. E aquele sujeito que segue a regra é incapaz de realizar algum favor sem esperar por outro em troca. Doação voluntária, nem pensar. Com isso os relacionamentos se transformaram em simples convênios para troca de favores, e logo que um dos lados deixa de cumprir ou pagar sua cota, a relação se desfaz e o conflito tem início.

Desde criança fomos condicionados a não praticar o verdadeiro altruísmo, a ação espontânea, aquela motivada apenas pelo bom senso e compaixão. Aquela ação não motivada pela intenção compensatória, sem expectativas de retorno ou gratidão; aquele ato de boa vontade nascido da consciência de que, quando se dá para receber depois, isso na verdade não passa de um empréstimo, troca ou barganha sacralizada. E convenhamos, bondade por troca não passa de mercantilismo disfarçado de caridade.

Quem estuda matemática é sempre mais Inteligente que os demais...

Para início de conversa, ter um intelecto recheado de cultura, não importa seu repertório ou especialidade, relevância, pedigree social ou status, não é sinal de inteligência. Inteligência é outra coisa, e não depende do volume de informações acumuladas dentro do repositório intelectual de um cérebro. Inteligência nasce a partir da atenção suscitada pela dúvida, que se transforma em disciplina, caminho necessário para a conquista de outro atributo, a auto-organização, que nos conduz a independência ou liberdade de pensamento. Sem estas qualidades, o despertar da inteligência vai ficar só na vontade, ou nas páginas impressas dos compêndios teóricos.

Quando maior o Sofrimento, maior serão os futuros júbilos do Homem...

Quando os nobres antigos decidiram elevar a si mesmos como representantes terrenos dos deuses, por exclusão, determinaram que todos os outros não filiados ao clube não poderiam usufruir dos mesmos privilégios e vantagens, que eles próprios já gozavam. Entretanto, era preciso encontrar um modo de conformar aquela maioria barulhenta, até como forma de aquietá-los, sob o risco de uma convulsão popular contrária à elite dominante, o que poderia comprometer a boa vida que levavam.

Mas, em caso de revolta, por que a turba miserável poderia comprometer aquele Status Quo? Simples, a nobreza dependia daqueles vassalos, tanto para cuidar de suas propriedades, hortas e asseio dos seus dormitórios, quanto da qualidade da comida que chegava às suas cozinhas. E tê-los insatisfeitos motivados por simples despeita, isso, constituía uma ameaça das mais sérias ao exclusivo conforto que desfrutavam.

Por isso disseminaram a ideia de que o sofrimento seria necessário para futuras compensações, se não na terra, certamente no reino dos céus. Eis outra mentira que deu certo, e até hoje ainda goza do status de verdade absoluta.

O importante é Competir...

Competição saudável só mesmo quando o protagonista está em contenda com ele mesmo, sempre em busca de corrigir as falhas pessoais e qualificar suas virtudes. Todas as outras formas de concorrência são negativas e criadoras de conflitos, intrigas, invejas e guerras. Numa competição é impossível existir algum tipo de entendimento ou conformação entre os antagonistas. Ocorre que cada um deles está em disputa com o outro, onde o objetivo é a conquista de um troféu disponível para apenas um. “O importante é dividir em partes iguais”, ou “O importante é trabalhar em conjunto para o bem estar comum...”, esta sim deveria ser a expressão corrente, e um costume consensualmente adotado por todos.

Desse modo, quando se disputa o posto de superioridade proporcionada pelo poder, a divisão igualitária torna-se impossível, assim como o sentimento de aquiescência sincera e sem ressentimentos do lado perdedor.

Quem espera sempre Alcança...

É o princípio da preguiça institucionalizada, uma espécie de acomodação com status de virtude. Como resultado nasce um indivíduo apático, fracassado, que além de invejar o sucesso alheio, estará para sempre em buscas de culpados para justificar suas frustrações. Claro que sem esforço pessoal nada se consegue. É um princípio da natureza, onde os mais dedicados e esforçados serão contemplados com o dom adquirido da qualificação. Qualificação não se recebe, trata-se de uma conquista individual, que surge quando nos tornamos inteligentes, disciplinados e organizados, e isso ocorre no momento em que percebemos que estagnação é sinônimo de retrocesso ou involução.

Quem cedo madruga os deuses ajudam...

Quem disse que trabalhar demais é sinônimo de sucesso ou êxito pessoal? De que adianta cedo madrugar sem ter um objetivo de vida definido, e trabalhar do nascer ao por do sol, sem descanso, sem disciplina ou organização, sem planejamento ou qualificação, e o pior de tudo, sempre na dependência de um guia?

O correto seria: quem é qualificado, disciplinado, organizado, sabe planejar a própria vida e seus respectivos objetivos, se esforça sem martírios, é perseverante e não se importa de aprender a partir dos próprios erros, esse, certamente terá mais possibilidades de êxito do que aquele burro de carga que se recusa a pensar por conta própria. Burro esse já incorporado no imaginário popular como aquele indivíduo que prefere ser conduzido por cegos, que costuma acordar com o nascer do sol apenas porque acredita na lenda de que trabalho duro significa apenas ter boa disposição física.

Qualificação e disciplina é a chave que abre todas as portas do êxito, não apenas profissional, mas da realização pessoal, e isso não depende de status social, apenas de coragem e vontade de mudar. O indivíduo competente é mais autoconfiante, não tem medo das oscilações ou incertezas do mundo patológico onde vivemos.

Alem disso, os deuses não ajudam ninguém que primeiro não se qualifica e se prepara para colher o que plantou. Não é o que foi plantado pelos outros, e sim com as próprias mãos. O sujeito qualificado, diligente e organizado que trabalha por vocação, não importa o pedigree ou valor social de sua especialização, sempre terá êxito em seus empreendimentos, independente do estado das coisas.

Leia Também...